Mover de Deus nas Finanças

Por em 12 / maio / 2017

Era viúva, pobre, endividada, na iminência de perder seus dois filhos que se tornariam escravos dos credores. Mas em meio à calamidade financeira, Deus moveu-se em favor daquela família para dar livramento e provisão. Essa linda história (2 Reis 4.1-7) revela princípios importantes para dias difíceis.
 Princípio da autoridade (v 1a). Clamou a quem era devido. Há um princípio de autoridade muito respeitado pelo Senhor e nem sempre observado pelo povo de Deus. Vivemos uma época de pastores cobiçando o aprisco de outros, e ovelhas desejando a liderança alheia. Nem sempre há respeito pelas autoridades estabelecidas localmente (Hb 13.7; 1 Ts 5.12-13). A bênção está junto aos seus líderes! Quem são os líderes que o Senhor estabeleceu em sua vida?
 Princípio da necessidade real (v 1b). Muitos buscam por aquilo que não é essencial. Essa viúva estava correndo o risco de perder seus dois filhos por causa da dívida. Não havia pensão, nem seguro de vida. Por isso, não tardou surgirem os “abutres do lucro fácil” ávidos por confiscar-lhe os filhos. De igual modo, a fragilidade financeira tem feito de muitos, escravos e reféns. Quais são suas reais necessidades?
 Princípio do que temos em mãos (v 2). Ela não acreditou muito, pelo tom da sua fala: “não tem nada em casa”. O pouco nas mãos de Deus é mais do que suficiente. A Bíblia conta muitas histórias de como Deus trabalha com o que temos nas mãos: Moisés tinha uma vara (Êx 14.16,21-22); Sansão tinha uma queixada de um jumento (Jz 15.15); Davi tinha uma funda e cinco pedras (1Sm 17.40, 50); Jesus e os discípulos tinham cinco pães e dois peixinhos (Mc 6.37-44). E você, o que tem “em mãos”, “em casa”?
 Princípio da política de boa vizinhança (v 3). A prosperidade que o Senhor tem para nossa vida está ligada aos relacionamentos que temos. A viúva tinha um bom testemunho em sua vizinhança. Quanto melhor os relacionamentos, mais “vasilhas vazias” conseguiremos. Se tratarmos as pessoas com amor e respeito, sendo sensíveis e ajudando-as em suas necessidades, certamente nos momentos mais difíceis de nossa vida não nos faltará ajuda. Como está seu relacionamento com “seus vizinhos”?
 Princípio da “porta fechada” (v 4). Eliseu ordena: fecha a porta. O homem de Deus não busca notoriedade no milagre. A glória pertence somente a Deus. É possível que uma das causas da escassez de milagres hoje esteja na publicidade desenfreada. Muitos gostam de aparecer e vangloriar-se. Deixam a porta aberta para serem vistos. Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará (Mt 6.6). Além disso, a porta fechada indica um tempo privativo de busca por parte da família necessitada. Mãe e filhos em busca de Deus. Você e sua família têm fechado a porta para buscar o milagre de Deus?
 Princípio da submissão (v 5). Talvez alguns de nós questionariam o profeta: Não preciso de azeite, mas, sim, de dinheiro. Eliseu, que tal você chamar meus credores e acertar com eles? Assim, muitas vezes, as pessoas chegam esperando algo de maneira pré-formatada. Se a palavra e instrução não vêm como esperavam, vão embora. Não basta ouvir, é necessário obedecer (Hb 13.17). O que você rejeitou fazer?
 Princípio dos limites (v 6). O azeite parou porque as vasilhas acabaram. O Senhor deu o suficiente, mas poderia ter dado muito mais. Somos o próprio limite da ação de Deus. Quais limites foram estabelecidos por você mesmo?
 Princípio da prioridade e diligência (v 7). Por fim, após o milagre, o profeta orientou a viúva que pagasse os credores e vivesse do resto do azeite. Há pessoas que se colocam como reféns de milagres e não priorizam decisões para continuarem na liberdade a que foram chamadas. O profeta estimula uma atitude prática e prudente para restabelecer a alegria na família, autoridade perante credores, liberdade da escravidão dos filhos. Quais são as prioridades para consertar suas finanças?
O milagre na casa da viúva aconteceu pois houve obediência aos princípios de Deus exarados nas Escrituras Sagradas para alcançar a vitória sobre a escassez. Assim como o Senhor se moveu nas finanças daquela família necessitada, ele continua desejando mover-se em nós. Ele é o Deus da provisão, do sustento, da libertação. Ele é o Deus que se move para abençoar seu povo.

Instituto Jetro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *