Fugindo da imoralidade sexual

Por em 28 / fevereiro / 2017

Quando o apóstolo Paulo deu essas instruções, tinha absoluta consciência das lutas que as pessoas passam contra as tentações na área da sexualidade. Muitas são as formas de desvios expressas na Palavra que se referem a relações sexuais ilícitas, adultério, fornicação, concubinato, prostituição, dentre outros. A Bíblia narra diversas situações para nossa reflexão.

Davi não fugiu

Conta-nos, por exemplo, a história de alguém que não fugiu da imoralidade sexual.Uma tarde Davi se levantou, depois de ter dormido um pouco, e foi passear no terraço do palácio. Dali viu uma mulher muito bonita tomando banho. Aí ele mandou que descobrissem quem era aquela mulher e soube que era Bate-Seba, filha de Eliã e esposa de Urias, o heteu. Então Davi mandou que alguns mensageiros fossem buscá-la. Eles a trouxeram, e Davi teve relações com ela” (2 Samuel 11.2-4 – NTLH).

Dali em diante, sua impureza gerou mentira e engano, até um horrendo plano de assassinato de seu fiel guerreiro Urias, o esposo traído. As consequências foram terríveis, pois a criança engravidada morreu e houve grande desordem na casa de Davi ao ponto de outro filho seu o desonrar publicamente. Nunca mais a família de Davi foi a mesma. Mesmo arrependido e perdoado, sofreu duras consequências de seu comportamento.

José fugiu

Mas outra história nos é contada de alguém que fugiu da imoralidade sexual.O SENHOR Deus estava com José. Ele morava na casa do seu dono e ia muito bem em tudo. Potifar entregou nas mãos de José tudo o que tinha e não se preocupava com nada, a não ser com a comida que comia. José era um belo tipo de homem e simpático. Algum tempo depois, a mulher do seu dono começou a cobiçar José. Todos os dias ela insistia que ele fosse para a cama com ela, mas José não concordava e também evitava estar perto dela. Mas um dia, como de costume, ele entrou na casa para fazer o seu trabalho, e nenhum empregado estava ali. Então ela o agarrou pela capa e disse: – Venha, vamos para a cama. Mas ele escapou e correu fugindo para fora, deixando a capa nas mãos dela” (Gênesis 39.2,6-7,10-12 – NTLH).

Manteve-se fiel ao seu patrão, a Deus e ao seu próprio corpo. A história nos conta como José foi elevado no Egito, tornando-se, depois de faraó, o homem mais poderoso na terra, casando-se, tendo filhos, livrando seu povo da fome e vivendo fartamente seus cento e dez anos junto com seus descendentes até a terceira geração.

Fugir ou não fugir?

Diferentes decisões, diferentes consequências. Fugir ou não fugir, eis a questão. Segundo Paulo, conseguimos fugir, pois nos tornamos um com o Pai, templo do Espírito Santo, comprados pelo precioso preço do sangue de Cristo.

Em outras palavras, temos sua natureza, recebemos sua habitação e nos tornamos sua propriedade. Assim, se houve pecado, arrependa-se e não peque mais (Colossenses 3.5; Tiago 1.21; 1 Tessalonicenses 4.7).

Vamos todos glorificar a Deus com nossos corpos, sendo nossa sexualidade somente para nosso cônjuge (1 Coríntios 7.2) e para ninguém mais.

URL: http://www.institutojetro.com/artigos/lideranca-pastoral/fugindo-da-imoralidade-sexual.html
Site: www.institutojetro.com
Título do artigo: Fugindo da imoralidade sexual
Autor: Rodolfo Garcia Montosa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *