30 razões para orar pelo Brasil

Por em 26 / maio / 2017

Movimento de Oração pelo Brasil.

A melhor forma de protestar

No dia 29 de maio em Feira de Santana, no templo da Igreja Evangélica Avivamento Bíblico, na Av. Senhor dos Passos, as Igrejas Evangélicas da cidade estarão reunidas em um só propósito para orar pela nossa nação. Segue as trinta razões que nos motiva a clamar pelo Brasil.

  1. Oremos pelos pobres

 

O Brasil é um país maravilhoso, com clima abençoado, pessoas de bem com a vida e um meio ambiente rico. Somos uma nação alegre e que tem tudo para proporcionar a seus habitantes uma vida feliz. No entanto, uma enorme parcela da população se encontra em situação de penúria: mais de 16 milhões de seres humanos vivem em condições consideradas de “extrema pobreza”. Para quem está nessa situação, cada vinte centavos representam uma quantia extremamente preciosa, como Jesus deixou claro ao comentar sobre a viúva pobre que depositou duas moedinhas na caixa de ofertas do templo (Lc 21.1-4).

 

 2. Oremos pela paz

 

Paz é algo extremamente valorizado por Deus. Sempre que Jesus saudava alguém, não dava bom dia, não estimava prosperidade nem mesmo uma vida longa: desejava paz (Lc 10.5; 24.36; Jo 20.19,21,26). O mesmo fizeram os apóstolos, como Paulo (Rm 15.33; 2Ts 3.16; Ef 6.23), João (3Jo 15) e Pedro (1Pe 5.14). No Brasil de nossos dias, paz é muito mais do que um desejo, é uma necessidade. Os índices de violência assustam. A criminalidade é um problema grave. De assaltos a assassinatos, somos obrigados a conviver com todo tipo de situação que nos instila medo e nos rouba a tranquilidade. Mas, mediante nosso clamor, Deus pode mudar isso.

 

3. Oremos pela economia da nação

 

Um país economicamente saudável oferece condições de vida melhores para a população. Por isso, desejar que a economia do Brasil cresça é pensar em cada brasileiro. Precisamos orar para que nossos governantes façam uma boa gestão das riquezas da nação e, assim, os indicadores econômicos melhorem sempre. É a nossa qualidade de vida que está em jogo. Lembremos que aqueles que administram as finanças do nosso país estão sob o controle de Deus, e nosso clamor pode mover o coração do Senhor (Tg 5.16). Como Paulo escreveu, “não há autoridade que não venha de Deus; as autoridades que existem foram por ele estabelecidas” (Rm 13.1).

 

4. Oremos pela melhoria da educação

 

Uma pesquisa realizada pela empresa de consultoria britânica Economist Intelligence Unit posicionou o Brasil em penúltimo lugar em um ranking global de educação que comparou quarenta países. As instituições públicas de ensino em nossa nação em geral não têm oferecido a qualidade que poderiam. Faltam professores e até mesmo material escolar e instalações adequadas. Uma pessoa bem instruída pode realizar muito mais do que imagina — em benefício próprio, de sua família, da Igreja, da comunidade e de sua nação. Por isso, precisamos pedir a Deus melhorias urgentes no sistema educacional brasileiro.

 

5. Oremos pelo fim da impunidade

 

Nossa nação tem sofrido com a impunidade. Criminosos cometem atos bárbaros e não são penalizados por aquilo que fazem. De políticos desonestos a ladrões de rua, muitos são os que praticam a iniquidade sem pagar por suas ações. A Bíblia diz que “a justiça engrandece a nação, mas o pecado é uma vergonha para qualquer povo” (Pv 14.34). Devemos ter fome e sede de justiça (Mt 5.6), sabendo que ela é como uma couraça que nos protege (Ef 6.14). Por tudo isso, dobremos os joelhos e clamemos ao Todo-poderoso, pois o “Senhor é a Nossa Justiça” (Jr 23.6).

 

6. Oremos pela liberdade religiosa

 

O cristianismo é hoje a religião mais perseguida do mundo: 75% das vítimas de perseguição sofrem por seu amor e sua fidelidade a Cristo, segundo pesquisa da Universidade Abat Oliba, em Barcelona (Espanha). Isso representa um total de 200 milhões de irmãos que enfrentam perseguição, opressão ou prejuízo social devido à sua fé. No Brasil, o cristianismo vem sofrendo ataques constantes de grupos que se opõem aos valores bíblicos e querem impor seus interesses. Embora Jesus tenha dito que seríamos bem-aventurados quando, por causa dele, fôssemos insultados, perseguidos e caluniados (Mt 5.11-12), precisamos orar pela liberdade de viver e proclamar aquilo em que cremos (Dn 6).

 

7. Oremos por mais empregos

 

Os brasileiros são, inegavelmente, um povo trabalhador, que “não foge à luta”. Somos esforçados, metemos a mão na enxada e nos entregamos com vontade ao trabalho. Mas essa gente dedicada tem encontrado problemas para realizar aquilo de que é capaz. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o desemprego no Brasil atinge mais de 5% da população. Temos de olhar além da frieza dos números: essa porcentagem representa acima de treze milhões de brasileiros (2017) sem um salário no fim do mês para alimentar a família. Clamar por mais oportunidades de emprego é uma expressão de amor ao próximo e, portanto, uma prioridade.

 

8. Oremos pelo fim da burocracia

 

O Relatório Internacional de Empresas (IBR), divulgado anualmente pela companhia britânica Grant Thornton, aponta de forma constante o excesso de burocracia como o maior entrave ao desenvolvimento empresarial em todo o mundo. O Brasil está sempre no topo da lista, oscilando ano a ano entre primeiro e segundo país com maior carga de burocracia do planeta. Isso ocorre em todas as instâncias e afeta empresas e pessoas. A falta de agilidade do sistema de atendimento à população por parte dos três poderes da nação é assustador. Quem já teve de esperar meses pelo recebimento de um documento emitido por uma repartição ou mesmo anos por uma solução do Judiciário entende bem o problema.

9. Oremos por um processo eleitoral mais aprimorado

 

Existe um grande clamor no Brasil por uma reforma partidária e eleitoral que promova mudanças profundas no sistema de organização de partidos políticos e na forma como os governantes são escolhidos — sempre segundo os trâmites democráticos. O objetivo dessa reforma política seria alterar e dar maior transparência ao processo eleitoral brasileiro, limitando poderes e criando mecanismos mais inteligentes de escolha das autoridades constituídas. Entre as questões em debate estão a forma de financiamento de campanhas políticas e de votação dos parlamentares. É essencial que Deus conduza os legisladores nas decisões sobre essas questões.

 

10. Oremos por melhorias na saúde

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou dados que revelam a triste realidade do sistema público de saúde no Brasil. Os números mostram que a área está subfinanciada e necessita urgentemente de mais investimentos. O governo federal brasileiro destina à saúde somente 8,7% do orçamento do país, porcentagem inferior à média dos países africanos (10,6%) e à média mundial (11,7%). O gasto anual do governo com a saúde de cada brasileiro (equivalente a 477 dó- lares) é inferior à média mundial (716 dólares). Por trás desses números vemos hospitais públicos superlotados, com pacientes deitados pelos corredores, falta de médicos e medicamentos, instalações precárias e um atendimento, em geral, de má qualidade. Precisamos de um milagre

 

11. Oremos pela ética na sociedade

 

Vivemos no país do “jeitinho brasileiro”. Visto por muitos como uma galhofa, à luz da Bíblia isso significa um “jeitinho pecaminoso”, pois vai de encontro à ética cristã (1Pe 1.16). O Brasil vive uma crise ética, com a relativização do que é certo e errado. Os valores absolutos parecem desaparecer, substituídos pelo que é melhor “para mim”. A filosofia existencialista, que pôs o indivíduo como soberano sobre sua vida, afetou de forma devastadora a sociedade ocidental — e, logo, a brasileira. Assim, tornou-se dominante a mentalidade de que se pode passar por cima da pessoa e da norma que for, desde que isso traga benefícios pessoais. Mas essa visão é anticristã e, logo, confronta a vontade divina e a ética bíblica.

 

12. Oremos por melhores relações entre governo e população

 

Não é segredo para ninguém a imagem negativa que nossos governantes têm, historicamente, aos olhos dos brasileiros. Uma pesquisa apontou os políticos como integrantes da profissão menos confiável dentre todas as que existem no país, com 16% dos votos. Se formos pensar nas implicações dessa constatação veremos quão grave é o problema. Como ser governado por alguém em quem não se confia? Lembremos sempre de Roboão, que, por ter ignorado os apelos da população e feito o que achava melhor, acabou provocando o afastamento dos liderados: “Dessa forma Israel se rebelou contra a dinastia de Davi” (1Rs 12.19), relata a Bíblia. Governantes precisam do respeito do povo, para que o relacionamento entre eles seja saudável e benéfico para ambos os lados.

 

13. Oremos pela qualidade das forças policiais

 

Na mesma pesquisa da página anterior, os policiais ficaram em quarto lugar como os profissionais menos confiáveis no Brasil. É muito comum encontrar quem teve de pagar propina a policiais no trânsito ou soube de corrupção de agentes da lei que liberam — ou participam de — práticas criminosas em troca de dinheiro. Sem falar da violência policial, manchete constante nos jornais. Se por um lado uma injeção de ética urge na Polícia, por outro existem muitos profissionais da área bons e honestos, que recebem soldos muito baixos, pela falta de investimento do governo nas forças policiais. Precisamos clamar ao Senhor para que ele intervenha diretamente nas instituições de segurança pública e no coração de cada policial (Sl 127.1).

 

14. Oremos pelo nível da mídia

 

Grande parte da programação das emissoras de televisão no Brasil contraria frontalmente os valores cristãos. Muitos programas defendem práticas, ideologias e conceitos de certo e errado totalmente diferentes dos da Bíblia. Além disso, a cobertura jornalística não poucas vezes é tendenciosa e direciona o público a certas conclusões desejadas — seja na mídia eletrônica, seja na impressa. Há ainda a questão das concessões de canais de TV e rádio, distribuídas de acordo com parâmetros político-partidários parciais. A mídia precisa melhorar muito em nosso país, se queremos chegar a ponto de assistir a programas e ler notícias sem desconfiar daquilo que é apresentado ou sem ter medo de deixar nossas crianças desprotegidas diante da televisão. 

 

15. Oremos por preços mais acessíveis

 

Grande quantidade de produtos e serviços essenciais à vida do brasileiro custa muito caro. Do transporte público aos alimentos, passando pelos combustíveis e pelas tarifas de água e luz, as contas sempre pesam. Por outro lado, não há como fugir desses gastos, visto que são itens indispensáveis. E, com isso, o dia a dia torna-se bastante difícil, pois muitos investem praticamente o salário inteiro apenas no necessário para sobreviver. Não sobra muito — ou nada — para investir em áreas importantíssimas da vida, como cultura, lazer e descanso. Precisamos pedir ao Senhor que amplie as possibilidades de acesso da população a produtos e serviços básicos.

 

16. Oremos pela liberdade de expressão

 

A liberdade de expressão é o direito de manifestar abertamente opiniões, ideias e pensamentos. Em países democráticos, como o Brasil, é parte da vida em sociedade e qualquer ameaça a ela configura censura. A Constituição federal assegura, no artigo 5º, aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país, que “é livre a manifestação do pensamento” e que “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta”. Assim, se você tem uma convicção ou crença, a carta magna do nosso país lhe garante o direito de afirmá-la (Gl 1.10). Temos de lutar pela preservação desse direito (Dn 3.16-18).

 

17. Oremos por condições saudáveis de vida

 

Saneamento básico é um tema diretamente ligado à saúde das comunidades e, logo, dos indivíduos. Trata de abastecimento de água potável, manejo de água da chuva, coleta e tratamento de esgoto, limpeza pública, administração de resíduos sólidos e controle de pragas. Segundo o Instituto Trata Brasil, quase a metade da população das cem maiores cidades ainda não conta com coleta de esgotos. A pesquisa mostra que são despejados diariamente cerca de 8 bilhões de litros de fezes, urina e outros dejetos nas águas dos córregos, dos rios e do mar, e só 36,28% da coleta de esgoto passam por tratamento. Mais de 31 milhões de brasileiros moram em lugares onde o esgoto corre a céu aberto. É uma situação que carece desesperadamente da intercessão do povo de Deus.

 

18. Oremos pelas leis de nossa nação

 

Deus sempre agiu por meio de leis. Séculos antes de entregar a Moisés os Dez Mandamentos, ele já legislava: “E o Senhor Deus ordenou ao homem: ‘Coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal’” (Gn 2.16-17). Regras são importantes para uma vida de paz e harmonia, e o Pai se agrada de manter um relacionamento conosco por meio delas (Pv 29.18). Os homens viram que sem leis é impossível viver em coletividade e também passaram a legislar (Êx 18.20). Só que muitas normas são injustas, erradas, antiéticas e até mesmo antibíblicas. Por isso, devemos orar para que nossos governantes promulguem leis que atendam ao bem-estar da nação e não a interesses privados.

 

19. Oremos por boas condições de moradia

 

O povo de Israel lutou — e ainda luta — muito para se estabelecer definitivamente na Terra Prometida, pois ter um lar é essencial (Gn 12.1; 50.24; Ne 1—13). A maioria dos brasileiros tem casa própria: a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) revela que 75% dos domicí- lios no país são imóveis próprios, contra 17,3% alugados e 7,5% cedidos. Só que não basta ter um teto, é preciso que as condições de moradia sejam dignas — um direito previsto na Declaração Universal dos Direitos Humanos (de 1948) e no artigo 6º da Constituição brasileira. O problema é grande no país: a pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que a nação ainda conta com 25 milhões de domicílios considerados inadequados para a moradia.

 

20. Oremos por proteção diante de homens violentos

 

Quando o Senhor livrou Davi de todos os seus inimigos, o homem segundo o coração de Deus entoou um cântico em que destacou sua gratidão por ter recebido livramento daqueles que militam contra a paz: “Tu, Senhor, és o meu salvador, e me salvas dos violentos” (2Sm 22.3). Muitas vezes, a tranquilidade de nossa vida é prejudicada por baderneiros, homens agressivos, indivíduos que contaminam a sociedade com violência gratuita ou motivada por interesses escusos. Devemos nos posicionar contra isso e pedir a Deus que proteja a nação dos que apresentam tais práticas. “Livra-me, ó meu Deus, das mãos dos ímpios, das garras dos perversos e cruéis. Pois tu és a minha esperança, ó Soberano Senhor” (Sl 71.4-5).

 

21. Oremos pelos nossos governantes

 

A Bíblia é enfática: “Todos devem sujeitar-se às autoridades governamentais, pois não há autoridade que não venha de Deus” (Rm 13.1). É muito difícil fazer isso quando existe corrupção no governo, quando aqueles que deveriam conduzir a nação pensando no povo o fazem de olho em benefícios pessoais. Nessas horas, temos de nos lembrar de não buscar vingança, mas sim de deixar com Deus a ira, pois ele retribuirá (Rm 12.19). Nosso papel? Paulo responde: “Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens; pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade” (1Tm 2.1-2). O caminho para o fim da corrupção e para uma vida de paz se trilha de joelhos.

 

22. Oremos pela melhoria nos transportes coletivos

 

Se nos lembrarmos do caos provocado por uma greve de ônibus ou trens, fica claro que o sistema de transporte coletivo é uma área importante na vida dos brasileiros. Um estudo divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revela que 65% da população das capitais usam transporte público, contra 36% nas demais cidades. Em todos os municípios, apenas 23% da população adotam o carro. O mesmo estudo aponta que 55% dos usuários de transporte coletivo estão insatisfeitos e consideram o serviço entre “regular” e “muito ruim” — por motivos que vão do valor elevado das tarifas ao tempo excessivo de espera e à superlotação. Os dados mostram que a maioria da população depende de um sistema de transportes coletivos que deixa muito a desejar.

 

23. Oremos pela melhor administração dos recursos públicos

 

O Brasil é um país rico. No total, os cofres públicos arrecadam mais de um trilhão de reais por ano em impostos. A responsabilidade de quem administra essa fortuna aumenta na mesma proporção que as riquezas se acumulam. No entanto, áreas essenciais da vida do brasileiro permanecem extremamente deficitárias, enquanto o governo faz altos investimentos muitas vezes em setores de menor importância, seja por questões de marketing, seja por razões políticas, má gestão ou outros motivos. É vital que a Igreja se una para clamar a Deus por uma melhor administração dos recursos públicos, sob a responsabilidade de governantes justos. “Quando os justos triunfam, há prosperidade geral, mas, quando os ímpios sobem ao poder, os homens tratam de esconder-se” (Pv 28.12).

 

24. Oremos por um Judiciário eficaz

 

Devemos sempre fazer o que Deus disse por meio do profeta Isaías: “Busquem a justiça” (Is 1.17). Por isso, quando dados mostram que a percepção geral do brasileiro sobre nosso sistema de justiça é negativa, fica claro que precisamos nos empenhar em oração. Em uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a nota média atribuída à Justiça brasileira foi crítica: 4,5 — numa escala de 1 a 10. Se fosse uma nota escolar, nossos juízes teriam sido reprovados pela população. A percepção mais grave é quanto à parcialidade: entre 0 e 4, o povo atribuiu 1,18 ao Judiciário. Um cenário preocupante.

 

25. Oremos pela estabilidade das empresas

 

Numa economia de mercado, como a brasileira, é muito importante que haja facilidade para que empreendedores consigam implementar e sustentar seus negócios. Afinal, as empresas geram renda, oferecem empregos, pagam impostos e disponibilizam serviços e produtos essenciais para a manutenção da sociedade. Elas são, assim, personagens importantes dentro do cenário econômico da nação. Por isso, é preciso viabilizar como for possível que as empresas se mantenham ativas e cresçam, seja pela amplificação das facilidades de crédito, seja pela baixa na taxa de juros, seja por outros mecanismos que permitam sua manutenção.

 

26. Oremos por impostos mais justos

 

No Brasil, 36% do Produto Interno Bruto (PIB) são impostos. Isso significa que o brasileiro paga muitos tributos ao governo — e muito caros. Para piorar, entre os trinta países com a maior carga tributária do mundo, o nosso é o que tem o menor Índice de Retorno de Bem-Estar à Sociedade (Irbes). No total, as empresas e os cidadãos pagam 63 impostos federais, estaduais e municipais. Se somados às taxas, o número sobe para 89. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), o brasileiro médio paga de impostos a cada ano o equivalente ao que ganhou durante 150 dias de trabalho. Deus estabeleceu impostos (1Sm 8.1-22). Jesus mandou pagar impostos (Mt 22.15-22). Paulo também (Rm 13.6-7). Portanto, a atitude do cristão diante de uma carga tributária tão elevada nunca pode ser a sonegação, mas podemos expressar de forma pacífica nosso descontentamento e orar por impostos mais baixos e em menor quantidade.

 

27. Oremos pelo fim das mortes violentas

 

O homicídio está entre as dez atitudes que Deus elegeu como as que mais merecem a nossa atenção — listadas no que conhecemos como os Dez Mandamentos. “Não matarás” (Êx 20.13; Dt 5.17; Mt 5.21; 19.18; Mc 10.19; Lc 18.20; Rm 13.9; Tg 2.11) é uma determinação inequívoca do Senhor. Por isso, somos capazes de imaginar quanto um assassinato entristece o coração de Deus. Como será que o Pai vê nossa nação, ao saber que os homicídios no Brasil tiveram aumento de 259% em um período de trinta anos (segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Sangari)? Esse estudo mostrou que, ao longo de três décadas, o número de pessoas assassinadas, a cada ano, passou de 13,9 mil para 49,9 mil. Em nossos dias, de cada cem mil brasileiros, 20,4 morrerão anualmente vítimas de homicídio.

 

28. Oremos pela extinção da miséria

 

O governo brasileiro estabeleceu que vive em situação de miséria uma família com renda mensal, por pessoa, inferior a 70 reais. Esse valor não é suficiente nem para comprar uma cesta básica, que custa cerca de 95 reais. O Brasil tem, por esse critério, 16,2 milhões de miseráveis. Mas, se fossem seguidos os padrões do Banco Mundial, o valor seria diferente, o que faria esse número saltar para 27,3 milhões. Seja um índice, seja o outro, a quantidade de brasileiros que vivem em condições precárias ainda é extremamente alta. Sabendo que é “feliz quem trata com bondade os necessitados” (Pv 14.21), precisamos agir e orar em prol de todos os que estão nessa situação.

 

29. Oremos por maior atuação do povo junto ao governo

 

Em uma sociedade democrática, como a brasileira, o momento em que o povo mais exerce seu poder é na hora do voto, quando tem a liberdade de escolher seus governantes. Infelizmente, o modelo de democracia em que vivemos restringe, a partir desse momento, a influência da população. O ideal é que a participação popular nas decisões não tenha as urnas como ponto final, mas como ponto de partida. Devemos orar a Deus por mudanças na legislação que deem a cada brasileiro mais poder na condução do país, que vá além de simplesmente tomar conhecimento do que as autoridades decidiram.

 

30. Oremos por um país melhor

 

Todo cristão é um estrangeiro e um peregrino na terra (Hb 11.13). Estamos buscando uma pátria melhor, que é a celestial (Hb 11.14-16). Mas, enquanto vivemos neste mundo, somos brasileiros. E devemos orar para que esta habitação provisória, em que vivemos até alcançar a promessa (Gl 3.22), seja cada vez melhor. Precisamos orar por um Brasil que viva debaixo do senhorio de Cristo, pois é “feliz o povo cujo Deus é o Senhor!” (Sl 144.15). Mesmo que isso não signifique a conversão a Jesus de cada brasileiro, podemos abençoar a nação se nós, Igreja, estivermos ao pé da cruz, pois assim seremos bênção na convivência com os incrédulos (1Co 7.14). Que sejamos sempre sal da terra e luz do mundo (Mt 5.13-16), para que os homens glorifiquem ao Pai, que está nos céus.4

Editora Mundo Cristão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *